News

Dream Learn Work’s dreams for 2017
Our participants who shared their story through "Dreams of Rio".
Nossos participantes que dividiram as suas historias através do "Sonhos do Rio".

April 2017 "Dreams of Rio" Published as a book!

After the success of Dreams of Rio on Facebook, we have decided to turn it into a book. Jørgen, one of our volunteers, is designing the layout for it to be published. Dream Learn Work met with Jørgen to hear a bit more about the process of turning a Facebook hit into a published book.

DREAM LEARN WORK: Where did the idea of making a book about the project "Dreams of Rio" came from?

JØRGEN: The original inspiration to the whole project came from the Facebook page "Humans of New York". It tells short stories about people and their life and dreams, based on the fact that everyone has a story worth telling. The youngsters getting an education with the help of Dream Learn Work fit that description perfectly and the weekly publishing of the stories on Facebook have been a success. However, Facebook and the Internet are transient mediums, and these stories are so good that they are worth to be remembered a little bit longer than a post provides. The best way to do that was to gather them in a book.

DLW: What do you think will interest the readers the most about the book?

J: The fact that people who are the same age and with a similar background have so many different stories and dreams to tell.

DLW: During the interviews, what surprised you the most?

J: Everyone we interviewed was so determined and certain that they can change their lives for better if they work hard and educate themselves. Their drive is highly contrasting to the stereotype view of people living in favelas, and meeting them have certainly given me a new perspective of what it is like to be growing up in those places under poor circumstances. Another surprise is that almost all of the interviewed expresses a kind fondness of living where they do. Despite problems with poverty, criminality and drug wars, a majority would like to continue to live where they do now, even if they fulfill their dreams and get an education and a good job.

DLW: Many social projects make books about their stories. What is special about this book?

J: This is a book about young people’s dreams, not about a project.

DLW: After this project, what kind of feelings do you have about DLW's work? Did you change your view about anything?

J: To be honest, when I presented the Dreams of Rio project to DLW, I didn’t know very much about its work. Now, more than a year later, I realize that DLW have found a niche where they are doing an extremely important job.
There are many organizations helping young kids up to the point when they finish school, but only a few help teenagers at the age of 16, 17 and upwards, when they are supposed to take their first steps into a more adult life.
DLW started as a CSR (Corporate Social Responsibility) project for a number of Norwegian companies and, from what I have seen of the organization, it seems to be one the best examples of how to implement that concept. As always, you wish you could help more people, but for more than 500 locals, DLW really has made a difference.



"Dreams of Rio" Publicado em Livro!

Depois do sucesso do projeto Sonhos do Rio no Facebook, decidimos transformá-lo em livro. Jørgen, um de nossos voluntários, está preparando o layout para que ele seja publicado. A Dream Learn Work encontrou Jørgen para ouvir um pouco mais sobre o processo de transformar um hit do Facebook em um livro publicado.

DREAM LEARN WORK: De onde veio a ideia de fazer um livro sobre o projeto “Sonhos do Rio”?

JØRGEN: A inspiração original do projeto como um todo veio da página “Humans of New York”, do Facebook. Ela conta pequenas histórias sobre pessoas, suas vidas e seus sonhos, baseada no fato de que todo mundo tem uma história que vale a pena contar. Os jovens que estão tendo acesso à educação com a ajuda da Dream Learn Work se encaixam perfeitamente nessa descrição e a publicação semanal das histórias no Facebook tem sido um sucesso. Contudo, o Facebook e a internet são meios temporários, e essas histórias são tão boas que valem ser lembradas por mais de tempo do que uma postagem proporciona. A melhor forma de fazer isto será juntá-las em um livro.

DLW: O que você acha que mais vai interessar os leitores no livro?

J: O fato de que pessoas com a mesma idade e origens parecidas têm tantas histórias e sonhos diferentes para contar.

DLW: Durante a realização das entrevistas, o que mais te surpreendeu?

J: Todos que entrevistamos são muito determinados e certos de que podem mudar suas vidas para melhor se trabalharem duro e investirem em educação. Suas motivações têm um contraste enorme com o estereótipo de pessoas que vivem em favelas, e conhecê-los certamente me deu uma nova perspectiva de como é crescer nesses ambientes em situação de pobreza. Outra surpresa foi a de que quase todos que entrevistamos expressam um carinho por viver onde eles vivem. Apesar dos problemas com a pobreza, a criminalidade e as guerras do tráfico, a maioria gostaria de continuar vivendo onde estão atualmente, mesmo se alcançarem seus sonhos e obtiverem formação e um bom emprego.

DLW: Vários projetos sociais fazem livros sobre suas histórias. O que torna este livro especial?

J: Este é um livro sobre sonhos de jovens, não sobre um projeto.

DLW: Depois deste projeto, que tipos de sentimentos você tem sobre o trabalho da DLW? Você mudou sua visão sobre alguma coisa?

J: Pra ser sincero, quando eu apresentei o projeto Sonhos do Rio para a DLW, não sabia muito sobre o trabalho que a organização fazia. Agora, mais de um ano depois, eu percebi que a DLW encontrou um nicho onde eles estão fazendo um trabalho extremamente importante.
Existem muitas outras organizações ajudando crianças até elas terminarem a escola, mas apenas algumas ajudam adolescentes a partir de 16, 17 anos, quando eles têm que dar seus primeiros passos rumo a uma vida mais adulta.
A DLW começou como um projeto de responsabilidade social corporativa de algumas empresas norueguesas e, pelo que eu vi da organização, parece ser um dos melhores exemplos de como implementar esse conceito. Como sempre, você deseja poder ajudar mais pessoas, mas para mais de 500 moradores, a DLW realmente tem feito diferença.